terça-feira, 19 de janeiro de 2010

PENSAR E DISPENSAR









"...vida esperar pudera esta cativa/
vida já quase em lágrimas desfeita/..."
[Camões - soneto 191]


I

...tua alegria à tarde sopra
a borboleta de meu sonho

II

..é plena de amor a tarde
olha o céu
ainda arde

III

vivo o sobrevôo refletido
antes da partida

IV

...à tardinha quase noite
alguém insiste e bate à porta
deixo
e o rumor dos passos esmaece

V

pudesse eu trazer de volta todos
ou apenas alguns
como outrora caminhando juntos
então eu viveria tudo novamente

VI

trêmulo neste frio íntimo
reconforta-me teu calor
assim como és
afastando o inverno

VII

flutuam em minhas pupilas
lembranças

VIII

nasci antes de ser
não partirei sem viver

IX

ainda antes de tudo acabar
vivo a alegria de estar

X

tudo é como tem de ser
o caminho do vento é sutil

XI

aonde se esconde a noite quando brilha o sol?

XII

os sons do infinito
não ressoam
na alegria do finito

XIII

e de repente da antiga trilha
fiz novo caminho

XIV

no lusco-fusco do entardecer
ainda brilha
o amor possível

XV

luzes cintilam tímidas
e a escuridão não amedronta

XVI

e o caminhante caminha o seu destino

XVII

"...que o amor é um
não pode ser partido..."
[Camões - soneto 189]

Rio, janeiro de 2010




2 comentários:

  1. Nossa, Flávio, que lindo!!!

    Estes vão aos poucos para o Longitudes, posso?

    Bom fim de semana! bjo.

    ResponderExcluir